quinta-feira, 22 de junho de 2017

FLÁVIO DINO ABANDONA CULTURA NA MADRE DEUS, DIZ EDUARDO BRAIDE


Deputado estadual, Eduardo Braide (PMN)

O deputado Eduardo Braide destacou, nesta quarta-feira (21), o abandono por parte do governador do Estado, Flávio Dino, à comunidade da Madre Deus, que não tem nenhuma programação oficial de São João, mesmo sendo considerada um dos berços culturais da capital.

“A Madre Deus foi simplesmente abandonada pelo Governo do Estado. Na Praça da Saudade sempre houve arraial. No Largo do Caroçudo, a mesma coisa. E o último resquício que ficou do São João na comunidade, que é na Capela de São Pedro, o governo não liberou nenhuma brincadeira para os dias de festejo. Eu não sei o porquê dessa discriminação com a Madre Deus. Eu não quero acreditar que seja por razões políticas. Seria muito pequeno por parte do governador do Estado”, reforçou o deputado.

Ainda no pronunciamento, Eduardo Braide repudiou a postura do governador pela forma como a comunidade da Madre Deus tem disso tratada culturalmente.

“Na Praça da Saudade, a única coisa que restou foi o nome: a saudade do que já foi um dia o São João lá. Porque se depender do governo comunista, a ordem é cortar tudo. Não ter nada na Madre Deus. E eu não sei qual o motivo da perseguição e essa maldade com a comunidade que historicamente vive da cultura. Poderíamos estar gerando renda na Madre Deus, elevando a autoestima do povo da comunidade, mas infelizmente o governador resolveu escolher a Madre Deus para massacra-la agora no período junino. Por isso, fica aqui o nosso repúdio ao governador Flávio Dino pela forma como vem tratando a comunidade da Madre Deus”, afirmou o parlamentar.

Ao finalizar o discurso, o deputado solicitou que o Governo do Estado envio de brincadeiras juninas para o Largo de São Pedro.

“Ainda há tempo do Governo do Estado reconhecer o seu erro e o absurdo que está fazendo com a comunidade da Madre Deus, que tem a cultura estampada no seu dia a dia. Que o governador do Estado envie as brincadeiras para o arraial da Capela de São Pedro e, quem sabe até, leve um palco e atrações para a Praça da Saudade. Mas aproveito para pedir que o povo do Maranhão, que o povo de São Luís tenha fé, força e esperança. Porque governo passa, mas a Cultura sobrevive a vários governos, inclusive àqueles que não admiram, não gostam e que repudiam a Cultura do Maranhão”, concluiu Eduardo Braide.

SECRETÁRIO DIEGO GALDINO CONFIRMA APOIO AO FESTEJO DE SÃO MARÇAL


Apesar do estilo discreto e consequentemente não midiático, é preciso reconhecer o trabalho que está sendo desenvolvido na Secretaria de Cultura e Turismo do Maranhão pelo gestor Diego Galdino.

Mesmo com a condições financeiras adversas que lhe são impostas, Galdino consegue ser um dos pontos fora da curva no Governo Flávio Dino e com competência e seriedade, dar uma resposta concreta a população maranhense.

Enquanto alguns especulavam um possível cancelamento do Festejo de São Marçal por falta de apoio, o secretário Diego Galdino foi enfático e não só confirmou a parceria, como destacou que os recursos já foram repassados.

Informo que está mantido o apoio ao tradicional festejo de São Marçal, realizado todos os anos! Os recursos inclusive já foram repassados e toda infraestrutura de organização do evento como, palco, iluminação, som, etc, será realizada pela Secretaria de Cultura e Turismo”, afirmou Galdino nas redes sociais.

O Blog aproveita o episódio para fazer questão de reconhecer o trabalho desenvolvido por Galdino, pois assim que Felipe Camarão deixou a pasta para ocupar outra função no Governo Flávio Dino, a indicação do jovem gestor foi vista com olhar de soslaio, mas Diego Galdino, mesmo com discrição e poucos recursos, deu conta do recado e a SECTUR é uma das poucas pastas que ajuda na aprovação do Governo Flávio Dino.

INDÚSTRIA DAS CORTESIAS NO FUTEBOL DO MA


É alto o número de não pagantes nos jogos de Sampaio e Moto no Campeonato Brasileiro Série C
Nos jogos de Sampaio e Moto no Campeonato Brasileiro Série C tenho defendido firmemente a importância da participação do torcedor em grande número, primeiro para que nossas equipes possam ser incentivadas a buscar bons resultados e depois para que possam ter boas arrecadações, mas um aspecto também precisa ser discutido.
Enquanto Sampaio e Moto vivem uma dificuldade financeira enorme, uma situação parece não ter importância alguma para os dirigentes dos dois clubes: o grande número de não pagantes, sobretudo cortesias nos jogos.
O número de não pagantes tem sido mais da metade do público nos jogos. Chama atenção, por exemplo que nos dois últimos jogos do Moto, contra Botafogo-PB e ASA, o número de cortesias foi o mesmo, em torno de 700. Mas porque tantas cortesias em um futebol falido como o nosso? Quem são as pessoas que entram de graça?  Porque os clubes dão tantas cortesias?
Em todos os jogos que tenho frequentado o Castelão, tenho sido abordado por cambistas oferecendo ingressos das cadeiras amarelas (setor coberto). No geral, são ingressos de cortesias colocados à venda.
Os dirigentes dos dois clubes e da Federação Maranhense de Futebol (FMF) são sabedores da situação, mas não tomam qualquer providência. Fico imaginando quanto dinheiro não é tirado dos clubes em jogos com grandes públicos. Qual o motivo da conivência e omissão dos dirigentes?
Mas como acabar com a indústria da cortesia? Sampaio e Moto poderiam adotar o modelo que é feito por produtores em shows músicais. A maioria elabora uma lista com nomes e somente após apresentar um documento é que tem acesso ao local do show. Esse modelo acabaria com a venda das cortesias por cambistas.
Se isto for adotado e surgirem novos ingressos é porque estão confeccionando ingressos falsos. Isto seria um bom assunto para a polícia.
Vejam só alguns números e tirem as suas conclusões:
Moto x Sampaio – cortesias: 1147 // não pagantes: 1.486
Moto x Confiança – cortesias: 621 // não pagantes: 898
Moto x Botafogo-PB – cortesias: 764 // não pagantes: 946
Moto x ASA – cortesias: 764 // não pagantes: 946
Sampaio x CSA – não pagante: 1.395
Sampaio x Cuiabá – não pagante: 1.189

ESCAPE


O governador Flávio Dino (PCdoB) comemorou ontem, em seu perfil, em rede social, o resultado de mais uma pesquisa de opinião pública do Instituto Exata, que aponta a aprovação de 58% da gestão comunista.

Compreensível o entusiasmo do governador, não fosse uma estranha coincidência em todo esse contexto: a pesquisa, bem como as anteriores, surgiu justamente após novo desgaste enfrentado pelo Governo do Maranhão.

Além do escândalo dos desvios de recursos públicos da Saúde, apontados pela Polícia Federal no bojo da Operação Rêmora – caso mostrado em rede nacional pelo programa Fantástico, da TV Globo -, e da proposta de criação de uma CPI na Assembleia Legislativa para apuração justamente dos supostos desvios no setor, a publicação da pesquisa ocorreu após surgir nos bastidores a informação de que o Instituto Escutec já guardava números desde a última sexta-feira de um levantamento de intenções de votos no Maranhão.

A Escutec, revelada apenas ontem, atesta vantagem da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) sobre o comunista para a disputa de 2018. Talvez esse seja o principal motivo da exploração do levantamento da Exata nos perfis em rede social do governador e na mídia alinhada ao Palácio dos Leões.

A bem da verdade, Flávio Dino sente o peso das denúncias que atingiram a rede de saúde pública estadual. Observa com temor a possiblidade – ainda que remota -, de instalação de uma CPI na Assembleia Legislativa e se preocupa com o avanço de adversários junto ao eleitorado maranhense.

Resta a ele, de forma não tão exata assim, analisar os números.

Coluna Estado Maior

DEPUTADO RAIMUNFO CUTRIM CRITICA SEGURANÇA PUBLICA



Deputado estadual, Raimundo Cutrim (PCdoB)
Em pronunciamento feito na sessão desta terça-feira (20), o deputado Raimundo Cutrim (PCdoB), voltou fazer duras críticas tanto ao sistema de segurança pública anterior como do governo Flávio Dino.
Ele enfatizou que a segurança do governo passado foi muito ruim, vindo numa decadência muito grande que chegou a extinguir. Em 2015, ele pensou que a situação ia pelo menos estabilizar, mas não  foi isto que acontece, pois o índice de violência não reduziu.


“Vamos torcer, vamos abraçar essa causa porque a segurança ruim atinge a todos os maranhenses. Melhorando, melhora para todo mundo. Por isso, é que nós não podemos ter ideologia contra a segurança; vamos abraçar essa causa para melhorar, para conseguir que ela evolua. Se não conseguir reduzir, mas pelo menos que a gente estabilize. Eu não quero saber se São Paulo, se no Rio de Janeiro, e se no Rio Grande do Sul, está ruim. Nós temos que nos preocupar é com a nossa terrinha: o Maranhão é que não pode está ruim do jeito que está”, disse.
Mostrando dados técnicos que podem ser consultados nos documentos oficiais, Raimundo Cutrim, afirmou aos seus pares e à população maranhense que é aliado mais do que nunca do governador Flávio Dino.
“Dos 42 deputados, se por ventura saíssem 41, eu estaria com ele, porque eu não largo o barco. Com certeza, estaremos juntos, no ano que vem, na campanha de governador, eu estarei lado a lado. Agora, deixar de falar o que penso, de criticar aqui nós não podemos. Como deputados, nós temos que ser independentes, nós temos que falar aquilo que deve ser dito e a gente está para ajudar e colaborar e eu estarei junto com o governador aí para o que der e vier, mas evidentemente as críticas são construtivas, e isso é salutar na realidade da democracia”, afirmou Raimundo Cutrim.

WELLINGTON PRECISA DE 14 ASSINATURAS PARA CPI DA SAÚDE


Deputado estadual, Wellington (PP)

O deputado estadual Wellington do Curso (PP), apresentou, na manhã desta quarta-feira (21) e fez a leitura do Requerimento solicitando a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, a CPI da Saúde, na Assembleia Legislativa do Maranhão, agora, o documento necessita da adesão de pelo menos 14 deputados, para ser iniciada.

“A CPI da Saúde tem por finalidade investigar contratos e/ou convênios firmados com a Secretária de Estado da Saúde, bem como os supostos serviços que foram objetos dos contratos e/ou convênios, no período de 2008 a 2017, fundamentando-se nas possíveis irregularidades na aplicação de recursos públicos destinados à saúde pública, como o desvio de mais de R$ 1 bilhão que deveria ser aplicado no sistema de saúde do Estado do Maranhão, conforme relatório da Operação Sermão aos peixes, na Polícia Federal, e ampla divulgação dos meios de comunicação, em especial, no quadro “Cadê o dinheiro que tava aqui?”, do Programa do Fantástico, da Rede Globo, exibido no dia 11 de junho de 2017.  As constantes denúncias de irregularidades na saúde do Maranhão, como no caso dessa ultima investigação da Polícia Federal que identificou o desvio de R$ 18 milhões, já agora em 2017, são aliadas a problemas de estrutura, falta de medicamentos, atraso nos salários dos funcionários do setor, que resultaram na solicitação para criar uma CPI  e para investigar os desvios de recursos na saúde,” disse Wellington.

Quem vai assinar o pedido de CPI? Uma assinatura será do próprio deputado Wellingon.
Vamos aguardar e divulgar os nomes

TEMA QUER INCLUSÃO DE MAIS 107 MUNICÍPIOS NA GESTÃO DA SAÚDE

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, prefeito Cleomar Tema, revelou, que o governador Flávio Dino irá participar, no dia 4 de julho, de encontro promovido pela entidade com todos os prefeitos e prefeitas do estado.
Durante o evento, que será realizado em São Luís, o presidente da FAMEM irá sugerir ao governador que habilite 107 municípios na gestão de saúde, o que resultará, segundo ele, na melhoria da prestação de serviços na área, uma vez que significará maior dinamismo, maior agilidade e mais qualidade.
A afirmação do presidente da entidade municipalista foi feita no Hotel Veleiros, na Ponta D’Areia, durante a Assembleia Geral do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde do Maranhão (COSEMS). Na ocasião, o secretário municipal de Saúde de Coroatá, Domingos Vinicius de Araújo Santos, foi reconduzido à presidência para o biênio 2018/19.
“O governador Flávio Dino vem se conduzindo como o maior parceiro dos prefeitos e, consequentemente, dos secretários de saúde. Estivemos com ele em várias ocasiões e iremos pedir mais uma vez, durante um grande encontro de gestores que acontecerá na capital São Luís, a habilitação destas 107 cidades. Isso representará um grande avanço, no momento em que eles deixarão de serem gerenciados financeiramente pelo Estado, uma vez que isso representa um certo atraso na liberação dos recursos, por conta do sistema burocrático do Governo Federal”, assinalou.
Tema destacou ainda que o governador Flávio Dino tem se mostrado sensível aos problemas de todas as áreas, principalmente na saúde, que é uma de suas prioridades.
“O governador está fazendo forte investimento, não só na saúde, mas em todas os setores, modificando o panorama administrativo do Maranhão”, disse.
Ainda com relação à saúde, Cleomar Tema frisou que o governador vem repondo as significativas perdas estabelecidas pela gestão anterior, que prejudicou a maioria dos municípios, ao fazer remanejamentos sem qualquer critério técnico, o que acabou colocando a saúde de várias cidades na UTI.
Por sua vez, o presidente reeleito do COSEMS ressaltou a importância do apoio que a entidade que dirige vem recebendo da FAMEM durante a administração de Cleomar Tema.
“Temos na FAMEM um importante ponto de apoio. O presidente Tema é um grande parceiro, é um grande conhecedor dos problemas da saúde e vem se empenhando, tanto junto ao governo do Estado, como perante o Governo Federal, no que concerne ao equacionamento dos problemas”, avaliou.
 

AGENDE-SE

 



 
 



CRISE: JOÃO ALBERTO É EXCLUÍDO DE PESQUISA DO PMDB


Talvez um dos motivos para que a pesquisa Escutec encomendada pelo PMDB tenha, a princípio, sido engavetada é a exclusão do nome do senador João Alberto, tanto dos cenários de senador quanto de governador.
De acordo com informações apuradas pelo blog, uma grande crise foi formada no grupo Sarney a ponto de a divulgação da pesquisa ter sido abortada. Alguns sarneisistas não teriam gostado dos números. Além da exclusão do nome de João Alberto, foi questionado também o fato de como Lobão Filho aparecer bem pontuado mesmo sem ter ainda se lançado candidato a senador. Em um dos cenários, Edinho chega a liderar como segunda opção de voto.
Reeleito recentemente presidente do Conselho de Ética do Senado pela sexta vez, João Alberto tem cacife suficiente para disputar a reeleição de senador ou até mesmo concorrer ao cargo de governador, caso Roseana Sarney opte por não enfrentar Flávio Dino. Só que ninguém entendeu como o seu nome foi suprimido dos questionários da pesquisa, o que demonstra que ‘Carcará’ está sem prestígio e desprezado pelo grupo Sarney.
O certo é que, depois de muita crise e confusão, somente nesta quarta-feira (21) os números foram revelados.
Para o Senado, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV), e o deputado federal Zé Reinado (PSB) lideram com 13% e 10,8%, respectivamente. Na sequência, aparecem Gastão Vieira (Pros), 10%; Lobão Filho (PMDB), 9,2%; Waldir Maranhão (PP), 6,3%; Weverton Rocha (PDT), 6,2%; e Clóvis Fecury (DEM), 2,1%.
O levantamento da Escutec foi realizado em 80 municípios, no mês de junho, e foram ouvidos 2.034 eleitores

Do Blog do Abel Carvalho

MAIS TRÊS DETALHES IMPORTANTES DA PESQUISA ESCUTEC


Mais três aspectos interessantes da pesquisas ESCUTEC, divulgada nesta quarta-feira (21), precisam ser destacados.

O primeiro deles é que ao contrário do que propaga o Governo Flávio Dino, a aprovação da gestão comunista não chega a 50%, e para a maioria dos maranhenses ouvidos na pesquisa, o “Governo da Mudança” foi reprovado. Veja o gráfico abaixo.

 

O segundo aspecto é que num eventual confronto direto entre Flávio Dino e Roseana Sarney, seria a ex-governadora que venceria a disputa. De acordo com a pesquisa, a vantagem de Roseana seria de aproximadamente seis pontos percentuais. Veja abaixo.

 

O terceiro e último aspecto da pesquisa é que para a maioria dos entrevistados, o governador Flávio Dino estaria envolvido na Operação Lava Jato. Flávio Dino teve seu nome citado em uma das delações da Odebrecht. O governador teria inclusive o codinome de Cuba. Veja o gráfico abaixo.